Seguidores

terça-feira, 28 de maio de 2013

A Evolução da Banda Oficina G3



1987 -1993

Túlio Régis - Vocal
Luciano Manga - Vocal
Juninho Afram - Guitarra
James Conway - Guitarra, 
Wagner Garcia (Maradona) -Baixo,
Márcio Woody - Teclados e 
Walter Lopes - Bateria

A banda teve início na decada de 1980, uma época marcada pelo surgimento de várias bandas de rock cristão no Brasil, intensificado pelo Movimento gospel, que difundiu o gênero pelo país.
 Em 1987, na Igreja Cristo Salva, em São Paulo, Juninho Afram, Walter Lopes e Wagner García, frequentadores do local, juntaram-se e formaram um grupo musical, a fim de suprir a necessidade de mais músicos naquela congregação. Eles formaram assim o grupo 3 daquela igreja. Somaram-se a eles subsequentementeLuciano Manga e Túlio Regis, ambos vocalistas, além de James Conway e Marcos Pereira, ambos nas guitarras, e Márcio Woody de Carvalho no teclados, (assim chamado por que usava os teclados da marca Woody).






Como o grupo não tinha nome ainda na época, decidiram chamá-lo pela sigla G3, abreviatura de Grupo 3 (pelo fato de que eram o terceiro grupo de louvor da Igreja Cristo Salva). Mais tarde, resolveram mudar de nome e escolheram Oficina. Por essa época, a banda se inscreveu num concurso de talentos cristãos sob o nome Oficina G3, nome provisoriamente adotado. Esse nome, segundo Luciano Manga, foi adotado no final dos anos 1980, por uma sugestão de um amigo dos integrantes da banda. Na ocasião, o grupo participaria em um evento chamado Terça Gospel, no Dama Shock, e este amigo era dono de uma agência de publicidade, e achava que este nome seria chamativo.
Em 1990 o grupo lançou o LP ao vivo, gravado em uma apresentação na casa de eventos Dama Shock. Por essa época já havia sido adotado o nome oficial do conjunto. Passado algum tempo, alguns integrantes da banda a deixaram, nomeadamente o baixista Wagner Garcia e o vocalista Túlio Régis, entrando Duca Tambasco e ficando com apenas um vocalista.












1993 - 1996


  • Luciano Manga Vocais
  • Juninho Afram: Guitarra base e solo, vocal
  • Marcos Pereira: Guitarra base e solo
  • Wagner Maradona: Baixo
  • Marcio "Woody" de  Carvalho: Teclados
  • Walter Lopes: Bateria e vocais em Conciência de liberdade, Pastor, Parar e Pensar
  • Duca Tambasco: Baixo na música "Naves Imperiais"



Em 1993, a banda gravou Nada É Tão Novo, Nada É Tão Velho. Lentamente começam a se tornar conhecidos no Brasil, atraindo um considerável número de fãs e admiradores pelo país. Como não era muito comum haver bandas cristãs de rock no início da década de 1990, algumas vezes a banda era discriminada por lideranças religiosas, algumas alegando que sua música era satânica. O visual da banda, marcado por tatuagens, piercings e cabelos compridos contribuía para esse efeito, mas o mesmo visual representava um atrativo para a sua audiência, tanto cristã quanto secular.











1996 - 1998


  • Luciano Manga: Vocal
  • Juninho Afram: Guitarra base e solo (participação nos vocais de Espelhos MágicosNovos CéusYour Eyes e Rei de Salém)
  • Duca Tambasco: Baixo
  • Jean Carllos: Teclados
  • Walter Lopes: Bateria (participação nos vocais de )



A terceira gravação, intitulada Indiferença, somente aconteceu em 1996, ano que também marcou a entrada Jean Carllos no grupo. O trabalho mostrava o virtuosismo da banda, com duas faixas dedicadas a solos de guitarra e uma outra a um solo de baixo. Um dos solos de guitarra era um prelúdio instrumental à canção Glória (versão rock em português do hino The Battle Hymn of the Republic), que por muito tempo foi uma das músicas mais tocadas em suas apresentações.
Indiferença representou o auge da popularidade do Oficina G3 na fase inicial do grupo, e também o fim dela, já que, após esse álbum, Luciano Manga necessitou deixar o grupo porque era pastor. Por conta do fato, Manga e os membros da Oficina G3 escolheram PG, que era membro da igreja ao qual faziam parte para assumir a posição de vocalista do conjunto. Assim que PG ingressou, Luciano Manga se retirou da banda. A partir daí a banda mudou de estilo e de público-alvo, passando a ter uma sonoridade baseada no pop rock, que desagradou a muitos dos seus fãs antigos.















  1. "Davi"
  2. "Fé" 
  3. "Magia Alguma" 
  4. "Glória Inst."
  5. "Glória" 
  6. "Profecias"
  7. "Espelhos Mágicos" 
  8. Novos Céus" 
  9. "Indiferença" 
  10. "Duca's Jam"
  11. "Contra-Cultura"
  12. "Your Eyes" 
  13. "Your Eyes II" 
  14. "Não Temas" 
  15. "Rei de Salém"





(Ainda na Turnê do CD  "Indiferença" PG Assume os Vocais.)



1998 - 2003


  • PG: Vocais
  • Juninho Afram: Violão (participação nos Vocais em Espelhos Mágicos, Deus Eterno, Novos Céus, Más Que Vencedores)
  • Duca Tambasco: Baixo
  • Jean Carllos: Piano
  • Walter Lopes: Bateria (participação nos vocais em Mi Pastor)






Com a entrada do novo vocalista, a banda grava em 1998 o álbum Acústico. Um ano depois lançou o Acústico ao Vivo, este alcançando a marca de mais de cem mil cópias vendidas. O sucesso dos trabalhos chamaram a atenção da MK Publicitá, uma das maiores gravadoras de música cristã do Brasil. O grupo então assinou contrato com a gravadora, saindo da Gospel Records, e no ano de 2000 lançou o álbum O Tempo.
O disco tornou-se um grande sucesso comercial, e esse sucesso chegou a chamar a atenção até mesmo das mídias seculares, com vídeos musicais da banda sendo apresentados no canal Multishow e na MTV Brasil.
O Tempo contou com a produção musical de Geraldo Penna, que já trabalhava com o Oficina G3 anteriormente. O álbum superou a marca das 170 mil cópias vendidas.
Em 2001, o grupo foi o único de música cristã a participar do Rock in Rio 3, e neste evento lançou o DVD O Tempo. No ínterim entre O Tempo e a obra posterior, o baterista Walter Lopes deixou a banda por motivos pessoais, entrando em seu lugar o músico Johnny Mazza, como freelancer que permaneceu até o final de março de 2003. Após a saída de Johnny MazzaLufe, assume a bateria da banda, mas também não como integrante oficial.

Humanos



  • PG: Vocal
  • Juninho Afram: Guitarra e Vocal
  • Duca Tambasco: Baixo
  • Jean Carllos: Teclado

Músicos Convidado

  • Lufe: Bateria
  • Walter Lopes: Participação tocando bateria na música "O Teu Amor"

No mesmo ano o quarteto lançou Humanos, álbum que seguiu a tendência pop rock, no qual porém nota-se uma sensível diferença no estilo. O uso de riffs e solos de guitarras mais marcantes, e a presença muito maior de distorções do que no álbum passado, contudo sem representar uma volta ao estilo hard rock, aproximando-se muito mais ao nu metal - que era uma das tendências daquele momento - de bandas como Linkin Park e P.O.D.. O álbum recebeu várias avaliações negativas da crítica especializada. Numa análise do Whiplash.net, por exemplo, Humanos recebeu nota 4 de 10, onde o resenhista declarou: "O cd desemboca num rockzinho básico, adocicado, leve e melodioso. O que se segue é uma sucessão de baladas que os diabéticos não irão aguentar. Trancar um de dathbanger numa sala e colocar Humanos para rodar me parece uma definição perfeita de tortura."
Em setembro de 2003 PG também decidiu sair da banda para se dedicar à carreira pastoral, entretanto a notícia só foi divulgada dois meses depois. Segundo PG, a saída da banda foi pacífica, entretanto não foi o mesmo dito pelos integrantes da Oficina G3. Duca Tambasco, por exemplo, declarou: "A gente ficou sabendo através de um comunicado."Por conta de tais mudanças na estrutura interna da banda, Juninho Afram assumiu a posição de vocalista enquanto o conjunto procurava um novo membro.








2004 - 2007
Além do que os Olhos podem Ver                        


  • Juninho Afram: guitarra solo e vocal
  • Duca Tambasco: baixo
  • Jean Carllos: teclado e vocal de apoio
Músicos convidados
  • Déio Tambasco: guitarra base
  • Lufe: bateria
Participações especiais
  • Marcão: vocais em "Sem Trégua"
  • Maurício Takeda: violino em "Amanhã"

Com três integrantes fixos, a banda então lança o trabalho Além do que os Olhos Podem Ver, com participação do guitarrista Déio Tambasco apoiando Afram, e este ficando dividido entre a guitarra e os vocais.  A sonoridade novamente sofre uma transformação nesse ponto, transitando para um estilo de metal progressivo com outras influências, como ainda o nu metal. Comparados aos álbuns anteriores, o álbum também apresentou como característica uma cessão maior de tempo para destacar os instrumentistas, possuindo solos de guitarra ou de baixo em quase todas as faixas. Apesar da obra ser caracterizada por uma sonoridade muito mais pesada, que é apreciada por um grupo muito restrito de ouvintes, o trabalho teve uma recepção muito boa, chegando a vender vinte mil cópias em apenas três dias e a ganhar um disco de ouro no período de um mês, além de ter sido indicado ao Grammy Latino na categoria Melhor Álbum de Música Cristã em Língua Portuguesa.

1 "Introdução"
2 "Mais Alto"
3 "Réu ou Juiz"
4 "Meu Legado"
5 "Através da Porta"
6 "Além do que os Olhos Podem Ver"
7 "A Lição"
8 "O Fim é só o Começo"
9 "Lugar Melhor" (Juninho e Viviane Afram)
10 "Amanhã"
11 "Sem Tregua" (Part marcão) (Marcão e Oficina G3)
12 "De Olhos Fechados"
13 "Ver Acontecer"
14 "Queria Te Dizer"


Elektracustika

  • Juninho Afram: Violão, guitarra e vocal
  • Duca Tambasco: Baixo e vocal de apoio
  • Jean Carllos: Piano, teclado e vocal
Músicos convidados
  • Alexandre Aposan: Bateria
  • Matheus Ortega: Flauta Celta em "Introdução", "Além do que os Olhos Podem Ver" e "Cura-me"
  • Gera: Produção musical e arranjos


1. Intro
2. Além do que os olhos podem ver
3. Desculpas
4. Mais alto
5. Cura-me
6. Resposta de Deus
7. A Deus
8. Eu, Lázaro
9. Ele vive
10. Razão
11. Preciso voltar
12. A Lição
13. Deserto
14. Perfeito amor
15. Me faz ouvir

Algum tempo depois anunciam o lançamento de um novo álbum, que seria chamado Elektracústika. Antes do início das gravações, os músicos temporários, Déio Tambasco e Lufe, saíram e foram substituídos por Alexandre Aposan na bateria e Celso Machado na guitarra. Em 2007 lançaram o álbum, Elektracustika, adotando um título mais curto em detrimento do antigo título. O disco trouxe em seu repertório várias regravações ao lado de algumas canções inéditas. A proposta do trabalho era de criar uma sonoridade rica e criativa, explorando o formato acústico com suas trivialidades e limitações. As canções mostraram uma oscilação entre o vigor dos instrumentos elétricos e o clima intimista do formato acústico, sendo mais abrangente em relação ao público se comparado com a obra anterior, já que não limitou os ouvintes àqueles que gostam de rock pesado. Apesar de não ter sido um proposta musical inédita no meio secular, representou uma novidade no estilo da banda, com arranjos muito bem trabalhados se comparado à maioria dos trabalhos acústicos. O trabalho foi bem recebido pela crítica, e chegou a concorrer ao Grammy Latino no ano de 2007. Possui alguns pontos marcantes, como o uso de flauta irlandesa em algumas das canções e uma presença maior do vocal de apoio de Jean Carllos e Duca Tambasco. A banda fez uma pequena turnê nos Estados Unidos, e anunciou, por ocasião do aniversário de vinte anos de carreira, o lançamento de um DVD comemorativo, porém poucos detalhes foram dados a respeito.





2008 - Atualmente
Depois da Guerra DDG
  • Mauro Henrique - Vocais;
  • Juninho Afram - Guitarra, Vocais;
  • Celso Machado - Guitarra Base;
  • Duca Tambasco - Baixo, Vocais;
  • Jean Carllos - Teclado, Vocais;
  • Alexandre Aposan - Bateria.







                                                                                                                         Celso Machado - Guitarra


Posteriormente, a banda anunciou oficialmente a entrada de um novo vocalista chamado Mauro Henrique.
 Este já estava há um tempo convivendo com a banda, inclusive fazendo participações especiais em shows. A banda já estava trabalhando em seu novo álbum, Depois da Guerra, lançado em dezembro de 2008. O mesmo estava sendo produzido totalmente para as linhas vocais de Afram; nesse meio tempo a entrada de Mauro Henrique foi anunciada, e o CD sofreu algumas mudanças para ser adaptado à sua voz, além de novas faixas e mudança na ordem das músicas. Sua sonoridade continuou no metal progressivo.  A obra foi considerada como a melhor do gênero no ano, recebendo críticas positivas da crítica especializada em geral. Através do trabalho o Oficina também conquistou o prêmio de Melhor álbum cristão em Língua portuguesa no Grammy Latino 2009 e um disco de ouro da ABPD.



  1. "D.A.G. (Durante A guerra)"
  2. "Meus Próprios Meios"
  3. "Meus Passos"
  4. "Eu Sou"
  5. "Até Quando?"
  6. "Mais Alto"
  7. "Ver Acontecer"
  8. "Obediência"
  9. "Continuar"
  10. "A Ele"
  11. "Incondicional"
  12. "Mensagem"
  13. "People Get Ready"
  14. "Tua Mão"
  15. "De Joelhos"
  16. "Better"
  17. "Muros"
  18. "De Olhos Fechados"
  19. "Depois Da Guerra (D.D.G.)"
  20. "God Gave Rock And Roll To You"



Nos dias 25 e 26 de julho de 2009, o Oficina G3 realizou, na cidade de Santa Bárbara d'Oeste a gravação do DVD D.D.G. Experience. Gravado numa usina abandonada, foi dirigido por Hugo Pessoa, que cuidara anteriormente de gravações premiadas, como o Ao Vivo no Maracanãzinho, da banda Trazendo a Arca. A produção também contou com o efeito bullet-time.
Em 2011 a banda iniciou a turnê Your Tour G3. O repertório, escolhido pelo público trouxe alguns sucessos da banda com canções do último disco. Entretanto tal escolha foi criticada por muitos. Em agosto, o grupo foi indicado em algumas categorias do Troféu Promessas: Melhor DVD, onde foi finalista e Melhor Banda, também finalista com Cassiane & Jairinho, Ao Cubo, Livres para Adorar e Trazendo a Arca. O conjunto perdeu para o Trazendo a Arca.








Em 16 de agosto de 2011 a Oficina G3 anunciou, oficialmente a entrada de Alexandre Aposan como baterista do conjunto, que já estava há um certo tempo trabalhando com a banda.
A banda continuou se apresentando e divulgando a YourTourG3. Em 2012, a banda participou do Festival Promessas em Recife ao lado de vários músicos cristãos.
Em agosto de 2012, a banda foi para Londres onde iniciou as gravações de mais um trabalho, sendo auxiliado por Leonardo Gonçalves e tendo a produção da própria Oficina G3.


Histórias e Bicicletas (Reflexões, Encontros e Esperança)


 Mauro Henrique - Vocal e Violão
Juninho Afram - Guitarra
Duca Tambasco - Baixo
Jean Carllos  - Teclados
Alexandre Aposan - Bateria







No dia 01 de março de 2013, a banda divulga o título definitivo de seu novo álbum, Histórias e Bicicletas (Reflexões, Encontros e Esperança). O anúncio aconteceu durante uma reunião da banda com a presidente da gravadora MK Music, Yvelise de Oliveira. Nesse encontro, a banda apresentou ainda as músicas que farão parte do CD, e o encarte desenvolvido para o novo projeto. No mesmo dia, uma versão não masterizada do single "Confiar", que fora divulgado na Rádio 93 FM , vazou na internet e teve imediata repercussão entre os admiradores da banda.

Histórias e Bicicletas (Reflexões, Encontros e Esperança) ou simplesmente Histórias e Bicicletas é o nono álbum de estúdio da banda brasileira de rock cristão Oficina G3, lançado em 30 de Abril 2013 pela gravadora MK Music. O trabalho foi gravado no RAK Studios em Londres sob muito mistério.
Segundo Juninho Afram, líder e guitarrista da banda, a obra traz reflexões acerca de experiências vividas pelos integrantes do grupo. "O título é bem diferente e reflete o que o CD representa para nós. Vivenciamos muitas histórias, boas e não tão boas assim, durante a produção deste álbum. Nosso CD foi produzido em Londres. E nos últimos dias, todos nós íamos para o estúdio de bicicleta e apreciávamos toda a paisagem".
As primeiras informações consistentes da obra foram divulgadas no dia 1 de março de 2013, com o lançamento do single "Confiar" e o anúncio do título do trabalho. Anteriormente, a banda somente apresentava em shows uma canção inédita. Um vídeo de uma das gravações do álbum no estúdio vazou na internet em 2012.
O álbum conta com 11 faixas, sendo duas delas, regravações da música "Aos pés da cruz", de Kleber Lucas e da música "Save from My Self" da banda Carpark North.

















quarta-feira, 15 de maio de 2013

Metal Clip - WALKING WITH JESUS - BANDA TIRZA

Nova série do Blog do Timóteo Silvério que irá publicar os novos clips do mundo Under Ground, Metal, e Rock Cristão.

Para estrear nossa série, começaremos com a Banda Tirza, com seu Video Clip Walking With Jesus.

Tirza é uma banda Cristã de Metal. Com 3 anos estrada levando a mensagem de Jesus Cristo ao público Underground.

segunda-feira, 6 de maio de 2013

Histórias e Bicicletas (Reflexões, Encontros e Esperança)



Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.



Histórias e Bicicletas (Reflexões, Encontros e Esperança) ou simplesmente Histórias e Bicicletas é o nono álbum de estúdio da banda brasileira de rock cristão Oficina G3, lançado em 30 de Abril 2013 pela gravadora MK Music. O trabalho foi gravado no RAK Studios em Londres sob muito mistério.
Segundo Juninho Afram, líder e guitarrista da banda, a obra traz reflexões acerca de experiências vividas pelos integrantes do grupo. "O título é bem diferente e reflete o que o CD representa para nós. Vivenciamos muitas histórias, boas e não tão boas assim, durante a produção deste álbum. Nosso CD foi produzido em Londres. E nos últimos dias, todos nós íamos para o estúdio de bicicleta e apreciávamos toda a paisagem".
As primeiras informações consistentes da obra foram divulgadas no dia 1 de março de 2013, com o lançamento do single "Confiar" e o anúncio do título do trabalho. Anteriormente, a banda somente apresentava em shows uma canção inédita. Um vídeo de uma das gravações do álbum no estúdio vazou na internet em 2012.
O álbum conta com 11 faixas, sendo duas delas, regravações da música "Aos pés da cruz", de Kleber Lucas e da música "Save from My Self" da banda Carpark North.


Faixas
1.    "Diz"
2.    "Água Viva"
3.    "Encontro"
4.    " Confiar"
5.    "Não Ser"
6.    "Compartilhar"
7.    "Descanso"
8.    "Aos Pés da Cruz"
9.    "Sou Eu"
10.  "Lágrimas"
11.  "Save me From Myself" (Bônus)

Compre aqui. Apenas R$17,99.